turma de executivos

Autofinanciando o MBA – Uma análise brainstorm 

A dinâmica cada vez mais acelerada dos mercados tornou as decisões de carreira mais complexas. Não apenas o número de variáveis aumentou, mas também a amplitude das áreas de onde essas variáveis vem traz muito mais aspectos a serem considerados, se compararmos com o que os profissionais tiveram que fazer em situações semelhantes no passado.

Hoje, as oportunidades envolvem níveis mais altos de multiculturalidade, devido às interconexões crescentes entre os países. Além disso, o suporte de tecnologia fornece melhores comunicações, o que facilita a troca de informações, conversas, apresentações e suporte a decisões em escala literalmente global. Nos dias atuais, e também no futuro, os profissionais contam com meios de telecomunicações eficientes e econômicos que unem pessoas de diferentes origens. Por consequência, o perfil de especialização de um profissional se ampliou como nunca.

Do lado da demanda, o escopo do que é necessário para os cargos a serem preenchidos inclui requisitos como competências multiculturais, capacidade de lidar com uma maior diversidade e flexibilidade para trabalho em equipe que integra pessoas de todo o mundo. Pode-se dizer que esses requisitos representam tudo o que é conhecido como parte das “habilidades sociais”, e eles estavam sempre presentes no processo, independentemente de se é hoje ou há vinte anos.

Sim, esse argumento está correto. Contudo; o nível de incompletude que carrega hoje é maior do que o que representaria vinte anos atrás. Nos tempos atuais, a necessidade dessas habilidades sociais se soma à expertise relacionada às novas tecnologias que avançam rapidamente em aplicabilidade, como inteligência artificial e blockchain. Nunca é o suficiente dizer; essas tecnologias podem ter impactos na curadoria de conhecimento necessária para moldar o perfil de expertise de alguém, visando a tornar-se um profissional preparado para o tempo presente ou para o futuro.

A complexidade deste cenário atual tem influenciado os profissionais a considerarem uma atitude mais ativa em suas carreiras. As causas dessa mudança não são completamente pesquisadas, e isso seria um assunto interessante a ser considerado em pesquisas. De qualquer forma, alguns aspectos podem ser comentados neste artigo, como possíveis candidatos fatoriais que podem ter uma carga na soma de fatores que desempenham um papel no processo.

Atitude de melhoria ativa de carreira

As pessoas têm adotado uma mentalidade e atitude de melhoria ativa de carreira. Devido à dinâmica e complexidade dos mercados, acima mencionados, as oportunidades (e porque não, as ameaças) fazem com que elas desejem ter mais controle sobre suas carreiras. Um dos resultados dessa mudança pode ser a mudança para o financiamento automático da mensalidade do MBA. Outro aspecto que contribui para essa decisão é a disposição de estar livre de qualquer compromisso com a empresa, caso sejam parcial ou totalmente patrocinados por suas organizações.

Os jovens profissionais de hoje parecem estar assumindo um papel mais ativo em direcionar suas carreiras. Eles não apenas buscam melhorar a si mesmos como gestores, mas também buscam oportunidades para combinar esse processo de melhoria com mais trabalho em rede, troca de experiências, lidar com os desafios da vida real em um ambiente multicultural com diversidade.

Pode haver uma tendência para a aprendizagem ao longo da vida no futuro, tanto no que diz respeito à formação acadêmica profissional quanto, provavelmente, mais para o treinamento focado que visa a especialização específica. Isso fortalece as atitudes de investimento em formação acadêmica, conhecimento, especialização e qualificação profissional.

O mundo VUCA

O mundo hoje é mais volátil, incerto, complexo e ambíguo (VUCA) do que antes. Ele muda rapidamente, gera incertezas, a complexidade é maior com muitos fatores adicionais para analisar, e a maioria dos fenômenos observados é ambígua, eles são difíceis de avaliar sobre o que eles representam para o ambiente de negócios.

Profissionais mais jovens também buscam experiências diversas e instigantes que sejam significativas para eles. Esse contexto faz com que busquem a mobilidade profissional, que pode ser maior se tiverem uma sólida formação acadêmica. Ter um MBA permite que eles sejam vistos e avaliados como candidatos potenciais para os desafios profissionais que podem surgir da arena internacional. O foco na carreira global pode ser uma das causas pelas quais os jovens profissionais tendem a considerar o autofinanciamento da do MBA.

O MBA como uma base fundamental para a carreira

Nos dias atuais, o MBA já é considerado necessário para a carreira executiva. Não ter um MBA pode limitar a convergência entre as oportunidades que o futuro pode apresentar aos profissionais que têm interesse em se engajar nessas oportunidades. O sentido do MBA como uma necessidade para compor uma carreira executiva é mais relevante agora, no mundo VUCA acelerado, jovens profissionais podem pensar em investir no MBA para aspirar a entrar para o segmento de profissionais que possuem um MBA.

O MBA como um caminho de mudança de carreira

O MBA apoia profissionais com formação, diversa da administração, para poderem se aprimorar a si próprios para uma carreira estratégica. O foco de administração de negócios do programa os leva à condição de poder agregar maior valor às organizações, adicionando conhecimento de negócios à sua formação acadêmica original. Os profissionais hoje parecem perceber isso com bastante clareza, o que pode ser um dos fatores que os mobilizam a investir no MBA.

As reflexões apresentadas aqui não se baseiam em pesquisas estruturadas, embora a maioria delas seja proveniente de casos com observações empíricas. Enquanto se deve ler este artigo com essas ressalvas, seria interessante ter mais pessoas contribuindo para este tópico.

Escrito por: Professor Nelson Yoshida – Academic Coordinator of Americas MBA.